sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Clã de Bolsonaro enriqueceu no poder público

Por Marcos Sacramento, no blog Diário do Centro do Mundo:

Dono de pautas genéricas e de apelo popular como “combate à corrupção”, defesa dos “valores cristãos” e de leis mais rígidas para punir criminosos, Jair Bolsonaro é ídolo de uma massa pouco instruída politicamente e revoltada com o que ele chama de “políticos tradicionais”.

Contudo, uma análise nas últimas declarações de bens do deputado federal indica que o maior compromisso do patriarca do clã político Bolsonaro é com a própria saúde financeira.

De acordo com dados do TSE, entre os pleitos de 2010 e 2014 a renda do parlamentar subiu 97%, já levando em consideração os efeitos da inflação sobre o valor declarado em 2010.

Alckmin inicia privatização do ensino público

Por Maria Izabel Azevedo Noronha (Bebel)

O Governo do Estado de São Paulo acaba de dar mais uma demonstração da sua incapacidade de resolver os problemas da rede estadual de ensino e de assegurar o direito constitucional dos estudantes a um ensino de qualidade.

A decisão da Secretaria da Educação, de despender até R$ 17,8 milhões para remunerar entidades privadas sob o argumento de melhorar a qualidade do ensino médio em 61 escolas, ao mesmo tempo em que o Governo mantém congelados os salários dos professores e as escolas continuam abandonadas, muitas delas sem materiais básicos para o funcionamento cotidiano, mostra o nível a que chegou a “desgovernança” do Governo do senhor Geraldo Alckmin no mais rico estado do País.

Temer é o exterminador do futuro

Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

Toda ação política dialoga com o passado, altera o presente e modela o futuro próximo. O projeto contrarreformista do governo ilegítimo de Temer, com seu potencial de anular conquistas, interromper processos democráticos e preparar regressões ainda mais radicais, é uma comprovação dessa tripla inscrição no tempo. Além da perda do senso histórico e do impacto imediato na vida das pessoas, salga o terreno.

Como incendiar (de novo) o Oriente Médio

Por Patrick Cockburn, no site Outras Palavras:

Eu estava no meu quarto no Hotel Bagdá na rua Al-Sadoun no domingo (12), escrevendo sobre as chances de a estabilidade ganhar terreno no Iraque, quando as paredes e o chão começaram a tremer. Eles balançaram de lado e para cima e para baixo várias vezes, como se meu quarto fosse a cabine de um barco num mar agitado.

Meu primeiro pensamento confuso foi - estando em Bagdá - que devia ter ocorrido a explosão de uma grande de bomba, o que explicaria o chacoalhar de tudo ao meu redor. Mas quase simultaneamente percebi que não tinha ouvido o som de uma explosão –então, a melhor explicação foi mesmo a de que teria havido um terremoto, embora eu nunca tivesse pensado em Bagdá como uma zona de terremoto.

Hartung, o fiscalista que a Globo inventou

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

A Operação Lava Jato de hoje, no Rio de Janeiro, ao colocar no foco os empresários George Sadala Rihan e Alexandre Accioly, pode ter comprometido a última aventura alternativa para 2018: a candidatura de Luciano Huck.

Na última década, no entorno de políticos jovens, como Aécio Neves, no Rio, e Eduardo Campos, em Pernambuco, vicejou uma jovem plutocracia ambiciosa, que enriqueceu rapidamente no governo Campos. No Rio, o ponto de contato era Aécio, e uma derivação com Eduardo Paes, embora não tenha ficado imune aos afagos do ex-governador Sérgio Cabral. No Espírito Santo, havia Paulo Hartung, da mesma cepa.

'Reforma' trabalhista detona a Previdência

Do site Brasil Debate:

O trabalho intitulado “Reforma Trabalhista e Financiamento da Previdência Social: simulação dos impactos da pejotização e da formalização”, realizado pelos pesquisadores da Unicamp Arthur Welle, Flávio Arantes, Guilherme Mello, Juliana Moreira e Pedro Rossi, simula os impactos do crescimento da pejotização e da formalização para a arrecadação da Previdência Social, considerando inalteradas as condições de remuneração e ocupação.

Repto aos ladrões da esperança

Por Saul Leblon, no site Carta Maior:

A forma como uma sociedade reage ao assalto aos seus direitos e liberdades; o equilíbrio entre a autocrítica de seus flancos e a consciência da sabotagem ao seu futuro; a capacidade, sobretudo por parte de seus segmentos organizados e progressistas, de hierarquizar essas lições e a partir delas estender as linhas de passagem da prostração à resistência - e desta à retomada da iniciativa política, configuram o passo decisivo ao repto que pode devolver a um povo a força e a esperança para comandar o seu destino.

O repto aos ladrões da esperança, um ano e meio após o golpe que derrubou a Presidenta Dilma Rousseff e a menos de 12 meses das eleições presidenciais de 2018, configura um desafio em aberto na vida brasileira.

Por que ladrão tucano não vai em cana?

Por Paulo Henrique Amorim, no blog Conversa Afiada:

A Globo Overseas e o PiG se lambuzam com a cobertura da roubalheira desenfreada no Rio.

E com a patética subida e descida de decisões na Assembleia Legislativa e no Supremo, como se fossem trapézios de um circo em Diamantino, MT.

Os cabrais, os acciolis, os sadalas, os piccianis são execrados do Mau dia Brasil ao jornal (sic) que era do saudoso William Waack!

Primeiro, os ladrões do Rio precisam ser responsabilizados pela crise econômica do Rio.

Banco Mundial volta a dar ordens ao Brasil

Do blog Socialista Morena:

Um ano sem o PT no poder e o Banco Mundial já volta a dar as cartas por aqui. Um relatório feito a pedido do então ministro a Fazenda Joaquim Levy, no governo Dilma, em 2015, mas concluído a partir de workshops com técnicos do governo Temer, dá “conselhos” que caem como uma luva para a agenda neoliberal do consórcio PMDB-PSDB. “O relatório surgiu a partir de um pedido do governo federal”, fez questão de destacar o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser, sobre o texto onde o banco sugere, entre outras iniciativas, a nociva reforma previdenciária e o fim da universidade pública e gratuita, enquanto outros países, como os EUA, lutam para tê-las.

O pré-sal e o lobby petrolífero britânico

Por Rodrigo Leão e Wiliam Nozaki, na revista CartaCapital:

A revelação do lobby realizado pelo governo britânico para facilitar a entrada das petrolíferas daquele país no pré-sal brasileiro ganhou as páginas dos veículos de comunicação no fim de semana. Originalmente apresentada com a finalidade de relaxar as regras tributárias e ambientais, o lobby ao fim e ao cabo escancarou seu verdadeiro objetivo: o enfraquecimento da política de conteúdo nacional adotada no Brasil.

De acordo com diplomatas britânicos, a redução das exigências de compras no mercado brasileiro beneficiaria as grandes operadoras britânicas, a Shell e a BP mais notadamente, e consequentemente toda a cadeia de fornecedores do parque empresarial daquela região.

Parlamentarismo é golpe

Editorial do site Vermelho:

O sonho da direita de manter sob rédeas curtas a escolha do chefe do governo – e da administração – está outra vez em pauta. Recentemente o ministro do STF Alexandre Moraes propôs que o mandato de segurança 22972, parado no STF desde 1997, seja incluído na pauta do tribunal.

Essa decisão abre uma brecha que permite mais um tenebroso passo no golpe em curso no Brasil desde 2016, com a possibilidade de implantação do parlamentarismo por decisão do Congresso Nacional sem consultar a população através de um plebiscito.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Pedro Cardoso e a greve na EBC

Nem tudo está perdido... no Chile!

Temer e "o mercado" são os pais da criança

Deboche racista de Rimoli é intolerável

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

É inacreditável o silêncio da mídia sobre o deboche do presidente da EBC, Laerte Rimoli, que compartilhou memes ridicularizando as declarações da atriz Taís Araújo sobre as manifestações de racismo que enfrenta com seu filho. Mesmo tendo deixado de ser uma empresa de comunicação pública, por conta das deformações impostas por Temer e da gestão subserviente, trata-se de uma empresa de comunicação do Estado. Se ela ainda tivesse um Conselho Curador, já teria sido aprovada uma moção de censura ao presidente da EBC por violação da lei do racismo. No governo Temer, entretanto, esta descompostura gritante passará em branco mas o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) vai denunciar Rimoli por manifestação de cunho racista em redes sociais.

A "sentença de morte" da Farmácia Popular


O programa Farmácia Popular corre o risco de acabar de uma vez por todas. Além de ter 400 unidades fechadas pelo governo Temer, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, anunciou que irá cortar, até pela metade, os custos com as indústrias que fornecem medicamentos aos estabelecimentos conveniados. O Ministério da Saúde afirma argumenta que a redução se dará num processo de negociação com o setor produtivo e varejista de medicamentos. O objetivo, alega, seria "dar maior eficiência a utilização dos recursos públicos e garantir que não haja ônus para o SUS".

TV a serviço da tecnologia do racismo

Por Joice Berth, no site da Fundação Maurício Grabois:

[…] que foi que ocorreu para que o mito da democracia racial tenha tido tanta aceitação e divulgação? Quais foram os processos que teriam determinado sua construção? Que é que ele oculta, para além do que mostra? Como a mulher negra é situada no seu discurso? Lélia Gonzalez, “Racismo e sexismo na cultura brasileira”, Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p.224.
Os meios de comunicação, todos eles, têm sido braço direito e esquerdo na propagação das tecnologias da estrutura racista. Isso é uma verdade que se pode comprovar com absoluta facilidade em todos os veículos de comunicação disponíveis, em especial a televisão.

Banquete no Alvorada mostra governo fraco

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

O jantar -regabofe cabe melhor – da”demonstração de força” reuniu, diz o G1, “segundo a assessoria da Presidência, 176 pessoas, entre ministros, economistas e parlamentares”.

Na melhor das hipóteses, 150 deputados.

Mais tarde, falou-se em 180 parlamentares

Pouco mais que a metade dos 300 que foram convidados.

128 a menos dos 308 necessários para aprovar a reforma.

Chico Alencar e a esquerda desinventada

Por Breno Altman, em seu blog:

Acerca do centésimo aniversário da Revolução Russa, o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) escreveu interessante artigo intitulado “A reinvenção da esquerda, publicado por esta Folha (12/11). O texto propõe, como paradigma dessa recriação anunciada, a releitura do socialismo, a partir de “um balanço de tudo o que foi sonhado e realizado”.

O parlamentar, que é também professor de história, chega a se referir ao “rico legado de 1917″, mas disso não passa.

Sua narrativa se limita a dissertações balizadas pelo axioma de que “avançamos quando reconhecemos negatividades no ‘socialismo real’ do século 20″, enumerando delitos e pecados da experiência soviética.

Jornalistas exigem demissão de Laerte Rimoli

Do site do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo:

A Comissão de Empregados da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e os sindicatos de Jornalistas do Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal expressam em nota seu repúdio à atitude racista protagonizada por Laerte Rimoli, presidente da EBC.

Em seu Facebook, Rimoli postou diversos memes ironizando Taís Araújo depois da divulgação de um vídeo no qual a atriz afirmou que "a cor do meu filho faz com que as pessoas mudem de calçada". A declaração da atriz ocorreu na palestra Como criar crianças doces em um país ácido, realizada em São Paulo e gravada para a organização sem fins lucrativos TED.

O empresariado é o próximo pato do golpe

Por Gilberto Maringoni, no blog Diário do Centro do Mundo:

O setor hidrófobo da classe média que foi às ruas exigir a saída de Dilma Rousseff em 2015-16 tomou um beiço federal dos golpistas.

Crentes que bastava tirar a mandatária para a vida melhorar, esses segmentos se veem agora diante da continuidade da recessão, reformas regressivas, aumento do desemprego, queda da renda, fim de concursos públicos, encolhimento do crédito e queda acelerada de seu padrão de vida. Ou seja, o sonho acabou.

Essa gente poderá contar, nos próximos meses, com a companhia da parcela do empresariado que opera no mercado interno. Ficou eufórica com a reforma trabalhista e chegou à conclusão ser uma boa contratar de forma intermitente e brecar o que supõe ser uma onda de processos trabalhistas, além de festejar variadas tungas nos trabalhadores.

Moniz Bandeira: patriota e anti-imperialista

Por Samuel Pinheiro Guimarães

Luiz Alberto Moniz Bandeira dedicou sua vida ao Brasil e à luta contra o imperialismo.

Sua vida e sua obra são testemunhos desta dedicação.

Foi jornalista desde jovem, trabalhando no Correio da Manhã, no Diário de Noticias e na Última Hora.

Como jornalista, teve a oportunidade de conviver e de entrevistar as mais diferentes personalidades brasileiras, como Jânio Quadros, e estrangeiras, como Che Guevara.

Ato racista do golpista da EBC será punido?

Por José Eduardo Bernardes, no jornal Brasil de Fato:

Em pleno dia da Consciência Negra, data em que milhares de negras e negros foram às ruas para reivindicar o fim do racismo e políticas públicas para a população preta, Laerte Rimoli, presidente da EBC, a Empresa Brasileira de Comunicação, utilizou suas redes sociais para compartilhar postagens com mensagens racistas direcionadas à atriz Taís Araújo e a seu filho.

O post faz relação às declarações de Araújo, que dias antes havia proferido uma palestra no evento TEDxSãoPaulo, onde afirmou que “a cor de seu filho é a cor que faz com que as pessoas mudem de calçada, escondam suas bolsas e que blindem seus carros”.


Print de post compartilhado por Rimoli

Oposição denuncia novo golpe do STF

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

Olha como são as coisas.

1) O ministro do STF, Teori Zavaski, morre num acidente misterioso.

2) A morte de Teori é muito oportuna para o grupo de Temer e Aécio Neves, que imediatamente nomeia um novo ministro, Alexandre de Moraes, um tucano de longa data.

3) Alexandre de Moraes, assim como Gilmar Mendes, outro ministro tucano, concentram em si todos os processos envolvendo políticos do PSDB.

4) Moraes é “sorteado” para ser o relator de uma ação popular que pede a anulação do impeachment.

Banco Mundial faz propaganda do golpe

Por Cesar Locatelli, no site Jornalistas Livres:

Segundo o dicionário Houaiss, a expressão marketing político designa o conjunto de atividades de marketing destinadas a influenciar a opinião pública quanto a ideias relacionadas à atividade política, ações governamentais, campanhas eleitorais etc.

Pois bem, a peça de marketing político encomendada pelo governo Temer, produzida pelo Banco Mundial e divulgada ontem (21), com toda pompa no Ministério da Fazenda em Brasília, assusta por sua falta de cerimônia no apoio às políticas econômicas rejeitadas pelo voto dos brasileiros e implantadas pelo governo golpista do PMDB e do PSDB.

A Previdência Social para além do déficit

Por Gustavo Noronha, no site Brasil Debate:

Desde a Constituição de 1988 foram aprovadas cinco emendas à Constituição alterando diversos aspectos da Previdência Social, as duas últimas no primeiro governo Dilma. A mais radical das reformas ocorreu no governo Fernando Henrique Cardoso, quando foram introduzidas diversas medidas das quais destacamos: a incorporação de critérios financeiros e atuariais nos regimes previdenciários; e o fim a aposentadoria por tempo de serviço, sendo substituída pelo tempo de contribuição.

A independência do jornalismo no mundo

Por Noam Chomsky, no site Carta Maior:

Mark Twain disse que "é pela bondade de Deus que, em nosso país, temos essas três coisas indescritíveis e preciosas: liberdade de expressão, liberdade de consciência e a prudência de nunca pôr em prática nenhuma delas".

Em sua introdução inédita à Revolução dos Bichos, dedicada à "censura literária" na Inglaterra livre, George Orwell acrescentou uma razão para esta prudência: há, escreveu, um "acordo tácito de que ‘não cairia bem’ mencionar esse fato particular". O acordo tácito impõe uma "censura velada" baseada em "uma ortodoxia, um conjunto de ideias supostamente aceitas sem questionamento por todas as pessoas razoáveis", e "quem desafiar a ortodoxia predominante será silenciado de forma surpreendentemente eficaz" mesmo sem "qualquer veto oficial".

O Cade vai pra cima da Globo Overseas?

Por Paulo Henrique Amorim, no blog Conversa Afiada:

Quem instalou o Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o CADE, foi o grande presidente João Goulart, em 1962.

É uma ideia do grande brasileiro Agamenon Magalhães, Ministro da Justiça de Vargas e Governador de Pernambuco, que tinha o apelido de "Malaio", por causa dos olhos apertados.

É de Agamenon o primeiro projeto de combate aos trusts - como se dizia, então - a "Lei Malaia".

Bolsominions: como vivem e se reproduzem?

Por Peterson Fernandes, no blog Socialista Morena:

Em seu livro A República, o filósofo grego Platão apresenta ao mundo o que ficou conhecido como O Mito da Caverna. Trata-se de uma passagem que fala sobre alguns prisioneiros que estão desde o nascimento dentro de uma caverna, onde passam o tempo inteiro olhando para a parede que é iluminada pela luz de uma fogueira. Nesta parede são projetadas sombras que representam pessoas, animais, plantas e objetos, que mostram cenas e situações do dia-a-dia. Como nasceram ali, tudo o que eles sabem sobre o mundo está naquelas imagens na sombra. O mundo é a caverna e não há nada além dela.

Professores debatem conjuntura no MS

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A negociata de Temer na Previdência

Editorial do site Vermelho:

O balcão de negociatas do governo usurpador de Michel Temer volta a funcionar a todo vapor. O objetivo agora é conseguir os difíceis votos para a pretendida contrarreforma da Previdência, que praticamente cancela as chances dos trabalhadores se aposentarem.

Para que a reforma seja aprovada, o governo ilegítimo precisa alcançar 308 votos, já que se trata de emenda constitucional. Mas pela contagem mais favorável de seus partidários, Temer só tem os 220 votos do chamado núcleo duro de sua base de apoio na Câmara dos Deputados. Precisa assim conquistar o voto de pelo menos 100 deputados para ter folga na votação. É o que diz o vice-líder do governo, deputado Beto Mansur (PRB-SP).

Na briga do PSDB não sobra pena sobre pena

Por Rodrigo Martins, na revista CartaCapital:

"Chocado com o espetáculo do fisiologismo político e da corrupção impune", como dizia o seu manifesto de fundação, o PSDB nasceu de uma dissidência do PMDB de Ulysses Guimarães em 1988. Passados 29 anos, a criatura ameaça implodir pelos mesmos vícios de seu criador, um incômodo aliado de ocasião.

O pedido de exoneração do ministro das Cidades, Bruno Araújo, apenas expôs os demais auxiliares tucanos de Michel Temer, dispostos a retardar o desembarque do governo mais impopular desde o fim da ditadura.

Até quando vamos aceitar o domínio da Globo?

Temer acelera a "reforma" da Previdência

Por Matheus Tancredo Toledo, no site da Fundação Perseu Abramo:

De acordo com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a Reforma da Previdência proposta pelo governo deverá ser apreciada no Senado Federal no começo de 2018. A declaração foi feita após o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmar a aliados que a proposta pode ser votada apenas em março de 2018 na casa. A reforma terá um texto novo que deve ser apresentado pelo relator Arthur Maia (PPS-BA) após conversas com o planalto. Com as alterações, a proposta será menos abrangente e terá como principal ponto os desmonte do regime de aposentadoria dos servidores públicos, equiparando-o com os trabalhadores do setor privado.

PSOL, PT e PDT entram com ação contra Globo

Do Jornal GGN:

PSOL, PT e PDT se juntaram em uma representação exigindo investigação da TV Globo no que se refere às denúncias sobre pagamento de propina para obtenção de direitos de transmissão exclusivos de campeonatos de futebol, já incluídas as Copas do Mundo de 2026 e 2030.

A representação vai ser apresentada hoje, quarta-feira, 22.

A ação é assinada pelos presidentes das siglas, Luiz Araújo (PSOL), Gleisi Hoffmann (PT e Carlos Lupi (PDT). A representação será protocolada no Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e exige que as denúncias sejam exaustivamente apuradas e, caso comprovadas, que haja cassação da concessão pública sobre a qual a Globo opera no País.

A prática racista do presidente da EBC

Do site do FNDC:

O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), articulação que reúne mais de 500 entidades em todo o país, vem a público manifestar seu mais veemente repúdio à manifestação racista do jornalista Laerte Rimoli, atual presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Em sua página pessoal em uma rede social, Rimoli compartilhou diversos posts - supostamente humorísticos - em torno das declarações da atriz Taís Araújo que, em recente palestra em São Paulo, denunciou o racismo que ela e sua família sofrem no dia-a-dia.

Lobby e corrupção no rastro da Shell

Do site da Federação Única dos Petroleiros (FUP):

Beneficiada pelo lobby britânico que resultou em uma série de vantagens fiscais e concessões feitas pelo governo Temer, a Shell já é velha conhecida na indústria de petróleo por modus operandi que passam ao largo da lei. A empresa anglo holandesa responde a acusações criminais na Suprema Corte da Nigéria por desvio de recursos públicos e pagamento de propinas durante a compra de um dos maiores campos de petróleo do país, vendido por US$ 1,3 bilhão, dos quais apenas US$ 210 milhões chegaram aos cofres do governo.


terça-feira, 21 de novembro de 2017

Maia e Temer fazem o jogo do “mais esperto”

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

O que levaria Michel Temer, o vaidoso que pretendia entra na história como “o homem que uniu o Brasil (e talvez tenha sido nisso bem-sucedido, pois uniu ao menos 95% dos brasileiros contra si) e como o presidente que levaria os desmanches neoliberais a um grau que nem Fernando Henrique Cardoso alcançou, a entregar para Rodrigo Maia o lugar de patrono da joia da coroa “reformista”, a reforma da Previdência?

A “sinuca de bico” de Lula em tempo real

Foto: Ricardo Stuckert
Por Tarso Genro, no site Sul-21:

“Duas frases exprimem a insustentabilidade do reducionismo” – diz Karel Kosik – no seu Dialética do Concreto – “Franz Kafka é um intelectual pequeno-burguês; mas nem todo intelectual pequeno-burguês é Franz Kafka”. Parodiando o filósofo tcheco, nascido em Praga em 1926, transitando dos escritores para personalidades políticas, poder-se-ia dizer que “Lula é um político democrático de caráter pragmático, mas nem todo o político pragmático democrático é como Lula”. Assim como poder-se-ia dizer que “Macron foi uma saída liberal de centro-direita genial, das altas finanças do capital financeiro, para a França, mas nem toda a saída liberal de centro-direita – num momento de aperto – é genial, basta ver Temer”. Poderíamos prosseguir ao infinito- no plano da política, normalmente mais acolhedor dos reducionismos vulgares, mas a questão que inspira este artigo é outra.

A "MP dos ingleses" no leilão do pré-sal

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

Com o leilão do pré-sal marcado para o dia 27 de outubro passado, o Palácio do Planalto, mesmo estando às voltas com a votação da segunda denúncia contra Temer (já marcada para o dia 25), fez uma grande pressão para que a MP 795 fosse aprovada pela comissão especial antes desta data, o que aconteceu no dia 18 de outubro. Aprovando a MP na comissão antes do leilão, o governo sinalizou aos concorrentes, especialmente aos ingleses, com o atendimento legislativo das exigências deles.

Raramente uma MP é aprovada em comissão especial antes de 30 dias de sua edição, como aconteceu neste caso. O relator foi o notório deputado Julio Lopes, do PP-RJ, citado nas planilhas da Odebrecht como recebedor de R$ 15 milhões. Mas, depois de passar pela comissão, a MP 795, agora apelidada de “MP dos ingleses”, empacou na Câmara e não foi aprovada pelo plenário, embora tenha entrado em pauta no dia último dia 6. Com o escândalo da rendição ao lobby inglês, ela agora corre sérios riscos de ser rejeitada ou modificada.

Manuela D’Ávila não divide a esquerda. Soma!

Por Flavio Aguiar, na Rede Brasil Atual:

Todo mundo que me conhece sabe que fui, sou e serei eleitor do Lula. Até que a morte nos separe.

Mas agora quero me manifestar em favor da candidatura de Manuela d’Ávila. Sem prejuízo de que, se eu puder, votarei no Lula.

Andei lendo frases de sobrolhos preocupados: "ela está dividindo a esquerda"…

Marisa Letícia e as maldades da "Justiça"

Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região negou na terça-feira, dia 21, a ‘absolvição sumária’ de Marisa Letícia.

A defesa de Lula havia pedido o reconhecimento da inocência de Marisa nas duas ações penais nas quais ela era ré.

Com sua morte em fevereiro, em decorrência de um AVC, Sergio Moro decretou a “extinção de sua punibilidade”.

A Globo não manda no mundo

Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

Ricardo Teixeira, José Maria Marin, Marco Polo Del Nero e outros cartolas do esporte nacional estão encalacrados com a Justiça. No Brasil e nos Estados Unidos. Os crimes de que são acusados vão do recebimento de propina para contratos de transmissão de jogos a extorsão, fraude financeira e lavagem de dinheiro. Com a certeza da impunidade e ambição desmedida, dominaram o esporte nacional com mão de ferro e goela larga por muitos anos.

A mudança dos ventos na política brasileira

Por Wellington Calasans, no blog Cafezinho:

O desespero da Lava Jato e da Globo nos seus dias de agonia diante da opinião pública contrasta com a tranquilidade de Lula, sobretudo após os resultados das recentes pesquisas de opinião pública divulgadas que dão ao petista uma esmagadora vantagem na corrida presidencial 2018.

Tacla Durán e o escândalo da Fifa destruíram em poucos dias a esperança dos moralistas sem moral de que manteriam a narrativa e a pauta do debate político até o próximo ano. Nas cordas, acuados com o desmonte das próprias imagens, forjadas na mentira, tentam desesperadamente uma reação, mas usam a tática manjada de apontar o dedo para a “corrupção dos outros”.

Ministro inglês fez lobby para Shell e BP

Por Cesar Locatelli, no site Jornalistas Livres:

O braço jornalístico do Greenpeace, Unearthed, pediu informações ao governo inglês, com base na lei de acesso à informação, sobre a visita de Greg Hands, ministro do Departamento de Comércio Exterior britânico, ao Brasil em março desse ano.

Os funcionários do departamento mandaram, acidentalmente na avaliação do Unearthed, o comunicado sem edição e marcado com tinta amarela (veja abaixo). Pouco depois, o departamento emitiu uma segunda versão do documento, com as mesmas passagens editadas, numa tentativa de encobrir os fatos, avalia Rebecca Newsom, assessora sênior de política do Greenpeace.



Record detona máfia Globo-Fifa

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Mais um golpe contra a vida do povo negro

São Paulo, 20/11/17. Foto: Lucas Martins/Jornalistas Livres
Por Elder Reis, no blog Levante Popular da Juventude:

O golpe em curso no Brasil carrega a marca da execução de um plano contra o povo, imposto pela classe dominante, que nunca pensou um projeto soberano de desenvolvimento para o país. Isso se expressa na constante aprovação de uma série de medidas antipopulares, que desmontam cotidianamente direitos sociais conquistados a muito suor e muita luta. Exemplos recentes são os impactos de medidas como a reforma do ensino médio, a lei da mordaça, bem como o corte de verbas das universidades públicas, as alterações no FIES e no PROUNI que representam um verdadeiro ataque e desmonte da educação pública brasileira.

Consciência Negra tem dia, história e luta

São Paulo, 20/11/17. Foto: Lucas Martins/Jornalistas Livres
Por Cezar Britto, no blog Socialista Morena:

A História tem revelado que a Lei Áurea, de 13 de maio de 1888, foi aprovada em razão da luta abolicionista e da vitoriosa e crescente “desobediência civil” praticada por escravos rebelados. Basta que se observe que, na época, apenas 5% dos descendentes de africanos eram fisicamente livres, embora, como agora, ainda aprisionados pelo preconceito racial e a desigualdade sócio-econômica. O “apenas” está escrito por força da gramática, pois basta um homem ser escravo para que permaneça o grave crime praticado contra a humanidade.

Será o início da decadência da Globo?

Por Renata Mielli, no site Mídia Ninja:

Um império não se derruba com um tiro só, ele vai sendo abalado aos poucos, vai sendo desconstruído, questionado e denunciado.

Um império não acaba repentinamente. Vai perdendo o seu poder e sua credibilidade lentamente: É o caso das organizações Globo, o império midiático erguido durante a ditadura militar e que passa pelo pior momento de sua história.

O mais recente episódio envolvendo a emissora aconteceu nesta terça-feira, 14 de novembro, quando uma das testemunhas de acusação chamadas a depor no julgamento sobre o escândalo envolvendo a Fifa (e o pagamento de propinas e o direito de transmissão de jogos) citou a TV Globo como um dos grupos de mídia participantes do esquema.

Temer e o pacote de favores para Shell

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Além de indignar os 200 milhões de brasileiros, a descoberta do pacote de favores prestados pelo governo Temer à Shell e outras empresas britânicas para facilitar ainda mais o domínio externo sobre as reservas do pré-sal ajuda a iluminar aspectos necessários a defesa dos interesses do país.

O benefício é jogar luzes sobre num debate que ocorre na surdina, no Congresso, que irá ter consequências - um pouco mais, um pouco menos nefastas - para o destino do país.

Estudos mostram o abismo racial no Brasil

Do site Vermelho:

A população negra é a mais afetada pela desigualdade e pela violência no Brasil. É o que alerta a Organização das Nações Unidas (ONU). No mercado de trabalho, pretos e pardos enfrentam mais dificuldades na progressão da carreira, na igualdade salarial e são mais vulneráveis ao assédio moral, afirma o Ministério Público do Trabalho.

De acordo com o Atlas da Violência 2017, a população negra também corresponde a maioria (78,9%) dos 10% dos indivíduos com mais chances de serem vítimas de homicídios.

O futebol nas mãos da Globo

Por André Pasti e Iago Vernek, na revista CartaCapital:

As últimas semanas do departamento jurídico do principal conglomerado de comunicação brasileiro, o grupo O Globo, não devem ter sido das mais fáceis. Primeiro, o afastamento de William Waack, âncora de um dos principais jornais da emissora, devido ao vazamento de vídeos que mostram o jornalista tendo atitudes racistas. Agora, os dirigentes do grupo Globo viram a acusação de que a empresa pagou propina para adquirir direitos de transmissão de futebol virar manchete em jornais do mundo todo.

A quem serve a privatização da Petrobras

Por Cláudio Guedes, no blog Nocaute:

Neste sábado (18), mais um artigo no Estadão que defende a privatização da Petrobras.

Os argumentos são os mesmos de sempre: a corrupção nas estatais e a recuperação da capacidade de investimentos das empresas liberando-as do jugo dos sindicatos e dos políticos.

A mesma lengalenga, aparentemente meritória. Pois quem não é a favor de empresas eficientes? Quem é a favor da corrupção (com exceção dos poucos que dela se beneficiam)? É claro que essas são questões importantes, mas secundárias, menores, quando a questão é a Petrobras.

Huck e a irresponsabilidade aventureira

Por Aldo Fornazieri, no Jornal GGN:

Perdido em sua desventura histórica, perplexo com as hordas de corruptos e criminosos seriais que pontificam no poder há décadas e que estão imunes aos ditames da lei porque assim o quer o próprio STF, andando em círculos para chegar sempre no mesmo ponto sem sair do lugar, dominado por uma elite criminosa que sonega um futuro ao povo e o mantém e desditosa vida de sofrimentos, desigualdades e carências o Brasil parece não ter limites em seu extravio, na sua danação, pois ele se tornou prisioneiro do charlatanismo dos velhacos, dos manipuladores da esperança, dos oportunistas que querem o poder a qualquer custo, dos embusteiros que inventam fórmulas e atalhos mirabolantes para enganar a boa fé de um povo desenganado. Foi assim com Collor de Mello, foi assim com Dória e agora querem que seja assim com Luciano Huck, o amigo dileto de Aécio Neves.

As entranhas do 3º Congresso do MBL

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

Vesti minha camisa e atravessei a cidade até chegar no pomposo bairro da Vila Olímpia em São Paulo. A missão era acompanhar o 3º Congresso do MBL, no ainda mais pomposo World Trade Center. Mesmo após ter assistido a um vídeo do Salsicha convidando a todos, até mesmo os intervencionistas militares, eu já imaginava que não daria para levar o convite ao pé da letra.

A aversão que os líderes do movimento têm aos jornalistas é conhecida. Apesar de não haver nenhuma restrição à entrada da imprensa na página de informações sobre o congresso, um jornalista foi expulso e outra impedida de entrar. Uma jornalista da Folha foi barrada porque, segundo um dos líderes, “o povo ficou chateado” com uma matéria escrita por ela que “não teria o enfoque certeiro”.

Globo vai se ferrar no exterior

A legislação patriarcal sobre as mulheres

Por André do Amaral, no site Outras Palavras:

Os acontecimentos recentes no país demonstram que a maioria dos homens insiste em não reconhecer os privilégios herdados socialmente pela brutalidade do patriarcado. Insistem em negar o argumento lúcido das mulheres que se esforçam para lançar luz sobre o sofrimento causado pela cultura machista. Para tal, utilizam argumentos rasos decorados em cartilhas de cronistas conservadores e posicionamentos absurdos, revestidos com o verniz de opinião. Trata-se, contudo, de um movimento social recorrente na história, aqui denominado como a legislação patriarcal sobre o corpo feminino.