quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Jornalistas exigem demissão de Laerte Rimoli

Do site do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo:

A Comissão de Empregados da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e os sindicatos de Jornalistas do Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal expressam em nota seu repúdio à atitude racista protagonizada por Laerte Rimoli, presidente da EBC.

Em seu Facebook, Rimoli postou diversos memes ironizando Taís Araújo depois da divulgação de um vídeo no qual a atriz afirmou que "a cor do meu filho faz com que as pessoas mudem de calçada". A declaração da atriz ocorreu na palestra Como criar crianças doces em um país ácido, realizada em São Paulo e gravada para a organização sem fins lucrativos TED.

O empresariado é o próximo pato do golpe

Por Gilberto Maringoni, no blog Diário do Centro do Mundo:

O setor hidrófobo da classe média que foi às ruas exigir a saída de Dilma Rousseff em 2015-16 tomou um beiço federal dos golpistas.

Crentes que bastava tirar a mandatária para a vida melhorar, esses segmentos se veem agora diante da continuidade da recessão, reformas regressivas, aumento do desemprego, queda da renda, fim de concursos públicos, encolhimento do crédito e queda acelerada de seu padrão de vida. Ou seja, o sonho acabou.

Essa gente poderá contar, nos próximos meses, com a companhia da parcela do empresariado que opera no mercado interno. Ficou eufórica com a reforma trabalhista e chegou à conclusão ser uma boa contratar de forma intermitente e brecar o que supõe ser uma onda de processos trabalhistas, além de festejar variadas tungas nos trabalhadores.

Moniz Bandeira: patriota e anti-imperialista

Por Samuel Pinheiro Guimarães

Luiz Alberto Moniz Bandeira dedicou sua vida ao Brasil e à luta contra o imperialismo.

Sua vida e sua obra são testemunhos desta dedicação.

Foi jornalista desde jovem, trabalhando no Correio da Manhã, no Diário de Noticias e na Última Hora.

Como jornalista, teve a oportunidade de conviver e de entrevistar as mais diferentes personalidades brasileiras, como Jânio Quadros, e estrangeiras, como Che Guevara.

Ato racista do golpista da EBC será punido?

Por José Eduardo Bernardes, no jornal Brasil de Fato:

Em pleno dia da Consciência Negra, data em que milhares de negras e negros foram às ruas para reivindicar o fim do racismo e políticas públicas para a população preta, Laerte Rimoli, presidente da EBC, a Empresa Brasileira de Comunicação, utilizou suas redes sociais para compartilhar postagens com mensagens racistas direcionadas à atriz Taís Araújo e a seu filho.

O post faz relação às declarações de Araújo, que dias antes havia proferido uma palestra no evento TEDxSãoPaulo, onde afirmou que “a cor de seu filho é a cor que faz com que as pessoas mudem de calçada, escondam suas bolsas e que blindem seus carros”.


Print de post compartilhado por Rimoli

Oposição denuncia novo golpe do STF

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

Olha como são as coisas.

1) O ministro do STF, Teori Zavaski, morre num acidente misterioso.

2) A morte de Teori é muito oportuna para o grupo de Temer e Aécio Neves, que imediatamente nomeia um novo ministro, Alexandre de Moraes, um tucano de longa data.

3) Alexandre de Moraes, assim como Gilmar Mendes, outro ministro tucano, concentram em si todos os processos envolvendo políticos do PSDB.

4) Moraes é “sorteado” para ser o relator de uma ação popular que pede a anulação do impeachment.

Banco Mundial faz propaganda do golpe

Por Cesar Locatelli, no site Jornalistas Livres:

Segundo o dicionário Houaiss, a expressão marketing político designa o conjunto de atividades de marketing destinadas a influenciar a opinião pública quanto a ideias relacionadas à atividade política, ações governamentais, campanhas eleitorais etc.

Pois bem, a peça de marketing político encomendada pelo governo Temer, produzida pelo Banco Mundial e divulgada ontem (21), com toda pompa no Ministério da Fazenda em Brasília, assusta por sua falta de cerimônia no apoio às políticas econômicas rejeitadas pelo voto dos brasileiros e implantadas pelo governo golpista do PMDB e do PSDB.

A Previdência Social para além do déficit

Por Gustavo Noronha, no site Brasil Debate:

Desde a Constituição de 1988 foram aprovadas cinco emendas à Constituição alterando diversos aspectos da Previdência Social, as duas últimas no primeiro governo Dilma. A mais radical das reformas ocorreu no governo Fernando Henrique Cardoso, quando foram introduzidas diversas medidas das quais destacamos: a incorporação de critérios financeiros e atuariais nos regimes previdenciários; e o fim a aposentadoria por tempo de serviço, sendo substituída pelo tempo de contribuição.

A independência do jornalismo no mundo

Por Noam Chomsky, no site Carta Maior:

Mark Twain disse que "é pela bondade de Deus que, em nosso país, temos essas três coisas indescritíveis e preciosas: liberdade de expressão, liberdade de consciência e a prudência de nunca pôr em prática nenhuma delas".

Em sua introdução inédita à Revolução dos Bichos, dedicada à "censura literária" na Inglaterra livre, George Orwell acrescentou uma razão para esta prudência: há, escreveu, um "acordo tácito de que ‘não cairia bem’ mencionar esse fato particular". O acordo tácito impõe uma "censura velada" baseada em "uma ortodoxia, um conjunto de ideias supostamente aceitas sem questionamento por todas as pessoas razoáveis", e "quem desafiar a ortodoxia predominante será silenciado de forma surpreendentemente eficaz" mesmo sem "qualquer veto oficial".

O CADE vai pra cima da Globo Overseas?

Por Paulo Henrique Amorim, no blog Conversa Afiada:

Quem instalou o Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o CADE, foi o grande presidente João Goulart, em 1962.

É uma ideia do grande brasileiro Agamenon Magalhães, Ministro da Justiça de Vargas e Governador de Pernambuco, que tinha o apelido de "Malaio", por causa dos olhos apertados.

É de Agamenon o primeiro projeto de combate aos trusts - como se dizia, então - a "Lei Malaia".

Bolsominions: quem são e se reproduzem?

Por Peterson Fernandes, no blog Socialista Morena:

Em seu livro A República, o filósofo grego Platão apresenta ao mundo o que ficou conhecido como O Mito da Caverna. Trata-se de uma passagem que fala sobre alguns prisioneiros que estão desde o nascimento dentro de uma caverna, onde passam o tempo inteiro olhando para a parede que é iluminada pela luz de uma fogueira. Nesta parede são projetadas sombras que representam pessoas, animais, plantas e objetos, que mostram cenas e situações do dia-a-dia. Como nasceram ali, tudo o que eles sabem sobre o mundo está naquelas imagens na sombra. O mundo é a caverna e não há nada além dela.

Professores debatem conjuntura no MS

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A negociata de Temer na Previdência

Editorial do site Vermelho:

O balcão de negociatas do governo usurpador de Michel Temer volta a funcionar a todo vapor. O objetivo agora é conseguir os difíceis votos para a pretendida contrarreforma da Previdência, que praticamente cancela as chances dos trabalhadores se aposentarem.

Para que a reforma seja aprovada, o governo ilegítimo precisa alcançar 308 votos, já que se trata de emenda constitucional. Mas pela contagem mais favorável de seus partidários, Temer só tem os 220 votos do chamado núcleo duro de sua base de apoio na Câmara dos Deputados. Precisa assim conquistar o voto de pelo menos 100 deputados para ter folga na votação. É o que diz o vice-líder do governo, deputado Beto Mansur (PRB-SP).

Na briga do PSDB não sobra pena sobre pena

Por Rodrigo Martins, na revista CartaCapital:

"Chocado com o espetáculo do fisiologismo político e da corrupção impune", como dizia o seu manifesto de fundação, o PSDB nasceu de uma dissidência do PMDB de Ulysses Guimarães em 1988. Passados 29 anos, a criatura ameaça implodir pelos mesmos vícios de seu criador, um incômodo aliado de ocasião.

O pedido de exoneração do ministro das Cidades, Bruno Araújo, apenas expôs os demais auxiliares tucanos de Michel Temer, dispostos a retardar o desembarque do governo mais impopular desde o fim da ditadura.

Até quando vamos aceitar o domínio da Globo?

Temer acelera a "reforma" da Previdência

Por Matheus Tancredo Toledo, no site da Fundação Perseu Abramo:

De acordo com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a Reforma da Previdência proposta pelo governo deverá ser apreciada no Senado Federal no começo de 2018. A declaração foi feita após o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmar a aliados que a proposta pode ser votada apenas em março de 2018 na casa. A reforma terá um texto novo que deve ser apresentado pelo relator Arthur Maia (PPS-BA) após conversas com o planalto. Com as alterações, a proposta será menos abrangente e terá como principal ponto os desmonte do regime de aposentadoria dos servidores públicos, equiparando-o com os trabalhadores do setor privado.

PSOL, PT e PDT entram com ação contra Globo

Do Jornal GGN:

PSOL, PT e PDT se juntaram em uma representação exigindo investigação da TV Globo no que se refere às denúncias sobre pagamento de propina para obtenção de direitos de transmissão exclusivos de campeonatos de futebol, já incluídas as Copas do Mundo de 2026 e 2030.

A representação vai ser apresentada hoje, quarta-feira, 22.

A ação é assinada pelos presidentes das siglas, Luiz Araújo (PSOL), Gleisi Hoffmann (PT e Carlos Lupi (PDT). A representação será protocolada no Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e exige que as denúncias sejam exaustivamente apuradas e, caso comprovadas, que haja cassação da concessão pública sobre a qual a Globo opera no País.

A prática racista do presidente da EBC

Do site do FNDC:

O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), articulação que reúne mais de 500 entidades em todo o país, vem a público manifestar seu mais veemente repúdio à manifestação racista do jornalista Laerte Rimoli, atual presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Em sua página pessoal em uma rede social, Rimoli compartilhou diversos posts - supostamente humorísticos - em torno das declarações da atriz Taís Araújo que, em recente palestra em São Paulo, denunciou o racismo que ela e sua família sofrem no dia-a-dia.

Lobby e corrupção no rastro da Shell

Do site da Federação Única dos Petroleiros (FUP):

Beneficiada pelo lobby britânico que resultou em uma série de vantagens fiscais e concessões feitas pelo governo Temer, a Shell já é velha conhecida na indústria de petróleo por modus operandi que passam ao largo da lei. A empresa anglo holandesa responde a acusações criminais na Suprema Corte da Nigéria por desvio de recursos públicos e pagamento de propinas durante a compra de um dos maiores campos de petróleo do país, vendido por US$ 1,3 bilhão, dos quais apenas US$ 210 milhões chegaram aos cofres do governo.


terça-feira, 21 de novembro de 2017

Maia e Temer fazem o jogo do “mais esperto”

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

O que levaria Michel Temer, o vaidoso que pretendia entra na história como “o homem que uniu o Brasil (e talvez tenha sido nisso bem-sucedido, pois uniu ao menos 95% dos brasileiros contra si) e como o presidente que levaria os desmanches neoliberais a um grau que nem Fernando Henrique Cardoso alcançou, a entregar para Rodrigo Maia o lugar de patrono da joia da coroa “reformista”, a reforma da Previdência?

A “sinuca de bico” de Lula em tempo real

Foto: Ricardo Stuckert
Por Tarso Genro, no site Sul-21:

“Duas frases exprimem a insustentabilidade do reducionismo” – diz Karel Kosik – no seu Dialética do Concreto – “Franz Kafka é um intelectual pequeno-burguês; mas nem todo intelectual pequeno-burguês é Franz Kafka”. Parodiando o filósofo tcheco, nascido em Praga em 1926, transitando dos escritores para personalidades políticas, poder-se-ia dizer que “Lula é um político democrático de caráter pragmático, mas nem todo o político pragmático democrático é como Lula”. Assim como poder-se-ia dizer que “Macron foi uma saída liberal de centro-direita genial, das altas finanças do capital financeiro, para a França, mas nem toda a saída liberal de centro-direita – num momento de aperto – é genial, basta ver Temer”. Poderíamos prosseguir ao infinito- no plano da política, normalmente mais acolhedor dos reducionismos vulgares, mas a questão que inspira este artigo é outra.